Arquivo da tag: rétro

The Good Wife Guide

The Good Wife Guide - Capa

Mais um livro bem-humorado da Cider Mill Press e com visual rétro. O belo livro “The Good Wife Guide – 19 Tips For Keeping a Happy Husband” entra mesmo na onda do “antigo”, manda bem nas fontes, cores e a capa vem com sinais de gasto, mas sem ser grunge. Como é baseado nos anos 1950, não somente os elementos gráficos ilustram a época como também um certo machismo que, na minha opinião, deve ser levado na brincadeira, afinal de contas todo o restante do livro brinca com esse período de um modo quase escrachado, né? Os temas das regras, claro, não são para as mulheres de hoje!

Alguns exemplos das “regras para ser uma boa esposa”:

The Good Wife Guide - Regra # 5

The Good Wife Guide - Regra # 6

The Good Wife Guide - Regra # 8

The Good Wife Guide - Regra # 14

The Good Wife Guide - Regra # 19

The Good Wife Guide - Quarta capa

A impressão é bem legal e as páginas são emplastadas num papel bem grosso, estilo um duplex.

Veja também:

The Good Husband Guide The Good Husband Guide – 19 Tips For Domestic Bliss

O outro livro da Cider Mill Press, com as regras pros rapazes se tornarem “bons maridos”

Nescau rétro

Latas de Nescau estilo rétro

E a onda de relançar produtos com visual rétro não para. Dessa vez a Nestlé investiu na linha pra comemorar seus 90 anos. São as latas da linha atual (tamanho, material) “vestidas” com os rótulos de 1932, 1960, 1986 e 1998. Achei o resultado interessante por ter caráter colecionável. Um pecado que eles cometeram foi não reduzir o logo suficiente pra dar pra ler a palavra Nescau inteira com a lata de frente. Em todas as versões ele “come um pedaço”. O Leite Moça também manteve o formato atual na sua edição especial rétro. Já no caso do Chá Matte Leão rétro as embalabens ficaram como corroídas pela açao do tempo. As latas de Nescau rétro para ver os detalhes, uma a uma:

Latas de Nescau estilo rétro

Latas de Nescau estilo rétro

Dos lados esquerdo e direito do logo tem ilustrações no estilo clássico dos anos 1950/60:

Latas de Nescau estilo rétro

Latas de Nescau estilo rétro

Latas de Nescau estilo rétro

E você, qual achou a lata mais legal?

Vintage ou rétro?

É bem comum encontrar essas duas palavrinhas (em evidência) em textos, imagens de referências, camisetas, refrigerante e tantos outros lugares. Muitas vezes são usadas incorretamente. O que é rétro? O que é vintage? Tem diferença? Sim, tem. E muita.

Vintage

Deixando de lado sua origem, que é relacionada ao cultivo e safras de vinhos, o vintage basicamente é o “oficialmente antigo” e de boa qualidade. O dicionário Michaelis define como “clássico, de qualidade ou importância reconhecida”.  No dicionário Oxford, enquanto substantivo, vintage significa “o tempo que algo de qualidade foi produzido”. Como adjetivo, vintage é “relacionado a algo de alta qualidade, especialmente algo do passado”. Um Cadillac 1956, é um carro vintage.

Rétro

É a imitação de um estilo antigo nos tempos atuais. Para o autor Beat Schneider em Design – Uma Introdução (Ed. Blucher, p. 206), o design retro look é “Ao contrário das reedições, trata-se de uma reinterpretação atual de características históricas do design. Os produtos lembram os seus predecessores, mas, ao mesmo tempo, sua linguagem de produto não deixa dúvidas de que eles provêm da atualidade. De forma simbólica, são referências ao passado e ao presente. Exemplos destacados no design de automóveis: o ‘New Beetle’ da Volksvagen ou o ‘Mini’, da BMW”. No dicionário Oxford, como adjetivo rétro é “algo que imita um estilo, moda ou design de um passado próximo”. Enquanto substantivo, rétro é “roupa ou música que o estilo é uma imitação de um passado recente”. Teve sua origem nos anos 1960, de French rétro, abreviação de retrógrado.

Aqui no DESIGNICES tem bastante post de coisas vintage e rétro, dê uma espiada :)

Chá Matte Leão retrô

Embalagem de Chá Matte Leão retro

E cada vez mais o visual retrô parece dar certo. Depois do Leite Moça retrô, das latas de panettone Bauducco retrô, entre tantos outros, agora chegou a vez do Chá Matte Leão fazer duas latas, uma inspirada na década de 1930 e outra na década de 1940. O visual das latas, muito bonitas por sinal, vem com sinais de “desgaste pelo tempo” e os logos antigos. Cada latinha + 50 saquinhos de chá sai em torno de R$ 5,00. Preço bem justo, né? :)

A seguir, mais detalhes de cada uma das latas:

Embalagem de Chá Matte Leão retro

Embalagem de Chá Matte Leão retro

Embalagem de Chá Matte Leão retro

Embalagem de Chá Matte Leão retro

Embalagem de Chá Matte Leão retro

Embalagem de Chá Matte Leão retro

Mandaram bem, não?

The Good Husband Guide

Capa do livro The Good Husband Guide

Quando vi esse livro a primeira vez, de longe, até pensei que fosse “um guia de verdade de como arrumar um bom marido” dos anos 1950.

Pausa: Não, não estou procurando um marido, nem pretendo procurar, ohohoh :)

Quando cheguei perto percebi que se tratava de uma publicação atual muito bem humorada e de cuidados minunciosos com o visual típico das revistas americanas estilo milk shakes, hambúrgueres e atendentes de patins, bem anos 1950. Essa divertida edição tem 44 páginas bem impressas, emplastadas papel grosso (algo como um duplex) e lombada quadrada. São “19 dicas”, cada uma com uma foto, para a mulher identificar o marido ideal. Algumas “dicas”:

"Regra" 4 do livro The Good Husband Guide

"Regra" 6 do livro The Good Husband Guide

"Regra" 7 do livro The Good Husband Guide

"Regra" 10 do livro The Good Husband Guide

Quarta capa do livro The Good Husband Guide


Veja também:

The Good Wife Guide The Good Wife Guide – 19 Tips For Keeping a Happy Husband 

O outro livro da Cider Mill Press, com as regras pras moças manterem um marido feliz

Leite Moça Retro

A Nestlé aproveitou a “onda” vintage e lançou as latinhas especiais estilo retrô, daquelas que dá vontade de comprar todas. Em dois anos morando sozinho, nunca havia comprado nenhuma. Numa só vez eu comprei todas: de 1937, 1946, 1957, 1970 e 1983. Ótima sacada da Nestlé, não?

Embora o formato da lata, arredondada, não seja o da época, as adaptações ficaram bem interessantes. Ora contorno na tipografia, ora não. Ora adornos demais, ora não. Ora sem adorno algum…  Enfim, é bem interessante como referência visual dessas décadas poder compará-las e encontrar as características de cada movimento ou pensar na “época” de cada latinha. Aliás, o que aconteceu em cada uma dessas décadas?

Leite Moça retro 1937

A embalagem mantinha a cor original do produto – e não branca como as atuais (aliás, prefiro essa amareladinha). Reparem nos adornos dos ícones do Rio 1922 e na tipografia clássica utilizada.

A década de 1930 começou sofrendo pela crise econômica de 1929 dos Estados Unidos. Logo que começaram as invasões nazistas, a escola Bauhaus é fechada e os profissionais que lá trabalhavam vão para os Estados Unidos e Reino Unido. O design modernista norte-americano começou com o lançamento da revista “Advertising Arts”. Em 1932, Stanley Morisson prejetou a família Times New Roman pro jornal The Times, de Londres. O movimento Art Déco entra em ascensão. Surgiu o futurismo na Itália. No Brasil, J. Carlos prossegue com suas belas ilustrações (muitas delas bem patriotas) para as capas das revistas Fon-Fon, Rio Ilustrado e O Cruzeiro.

Leite Moça retro 1946

A Moça perde a cor vermelha e os ícones Rio 1922 ficam mais rebuscados com a cor de fundo. A tipografia “LEITE CONDENSADO” fica mais pesada e o MOÇA ganha contorno amarelo. O nome do produto começa a crescer na embalagem.

Um fato muito importante para o design nessa década foi quando o presidente norte-americano Roosevelt fundou, em 1942, o Office of War Information (OWI), para informar sobre a Segunda Guerra Mundial em diversas mídias. Para isso foram contratados muitos designers e ilustradores. Começou a “Era de Ouro” das revistas quando elas começaram a destacar o pós-guerra. O designer modernista Paul Rand publicou sua monografia/manifesto chamada “Thoughts of design”.

Leite Moça retro 1957

Os ícones Rio 1922 são simplificados, menos linhas e sem cor de fundo. O texto “LEITE CONDENSADO” ganha uma tipografia com mais curvas que dá mais contraste nas “relações grosso-fino” dos tipos, mais parecida com a da década de 1930. A palavra “MOÇA” cresce mais ainda e ganha contorno mais agressivo do que a dos anos 1940. A cor da lata passa a ser branca.

O movimento pós-guerra fica ainda mais forte na intenção de aliviar as dores das perdas causadas esse período e divulgar a comunicação visual. O primeiro satélite, o Sputinik, foi lançado em 1954, mesmo ano que Alfred Hitchcock estreiou seu filme “Disque M Para Matar” (Dial M For Murder) que tinha efeitos 3D no cinema. Ainda em 1954, Bill Haley and His Comets gravaram Rock Around The Clock, o primeiro rock do mundo. A pop-art começa em 1956 com a obra de recortes “Just what is it makes today’s homes so different, so appealing?”, de Richard Hamilton. No Brasil, mais precisamente na segunda metade da década, a Bossa Nova deu seus primeiros passos com Nara Leão, João Gilberto e toda a “turma” do Rio de Janeiro. Alexandre Wollner voltou da Escola de Ulm e estava pronto para mudar o rumo do design nacional com todos os detalhes conceituais de seus projetos e postura profissional.

Leite Moça retro 1970

Tanto o desenho da mocinha suíça quanto o nome do produto crescem para “estourar” na embalagem. Para tanto, foram reposicionados um ao lado do outro. Os ícones Rio 22 desaparecem e a imagem do ninho no logo da Nestlé aparece de background para a marca. O traço da ilustração foi simplificado e a moça não tem mais as listras no vestido

O movimento hippie, muito evidente na década anterior, perdeu suas forças (no Brasil isso apenas aconteceu na primeira metade dos anos 1980). Começou o movimento punk. Em 1971, Stanley Kubrich estreiou o filme “Laranja Mecânica” (A Clockwise Orange). Ainda nesse ano a estudante Carol Davidson criou o logotipo da Nike, o designer Milton Glaser criou a marca “I LOVE NY”. Em 1977, além da morte de Elvis Presley, George Lucas estreia o primeiro filme da série Star Wars. No último ano dessa década, o designer argentino (que mora no Brasil) Hugo Kovadloff começou a dirigir a SAO, divisão de design da agência DPZ.

Leite Moça retro 1983

A versão retro dos anos 1980 é a que resolveu apostar num tamanho ainda maior para a palavra “MOÇA”, assim como para a ilustração da mocinha (que se tornou menos rebuscada que a de 1970). Não tinha mais ícone algum, nem a marca Nestlé tão evidente.

Em 1980 nasceu o Grupo Memphis, talvez o primeiro movimento de design pós-moderno. Foi também nesse ano, mais precisamente em 23 de abril, 17:45, que nasceu o designer Rogério Fratin, hehehe! Steven Spielberg dirige o filme E.T. A partir dessa década que o design passou a ser produzido por computadores. Cores extravagantes, referência aos anos 1950 e efeitos 3D foram muito evidentes nesse período. Por falar em 3D, foi nessa década que nasceram os primeiros filmes 3d da Pixar. Os videogames e os computadores pessoais tornaram-se bem mais populares.

Alguém tem mais fatos interessantes de cada uma das décadas? Colabora aí nos comentários!

Posts relacionados:

20 american ads de 1951
Museu do Expedicionário
Lata de Panettone Retro da Bauducco

Lata de Panettone rétro da Bauducco

Como de costume a Bauducco lançou latas especiais para seus panettones em versão “presente de Natal”. As embalagens antigas foram o tema dessa vez. A que achei mais interessante foi essa, baseada na década de 1950, década que Carlo Bauducco trouxe o panettone pro Brasil, segundo informações na própria lata. A face principal utiliza ilustrações de rostos de crianças que foram retiradas de um caderno de receitas, sem data definida. As demais faces incluem fotografias de época (e tem imagens das décadas de 1960 e 70 também…?).

Lata de Panettone Retro, Bauducco Lata de Panettone Retro, Bauducco
Lata de Panettone Retro, Bauducco Lata de Panettone Retro, Bauducco

Post relacionado:
20 american ads de 1951