Designices

Me interesso bastante pelo meio acadêmico. Vira-e-mexe eu dou uma palestrinha aqui, faço banca de TCC (trabalho de conclusão de curso) ali, leio trabalhos de estudantes acolá. É uma boa maneira de me manter atualizado e não deixar a “pegada acadêmica” se perder no tempo. E me lembro da época que estudava a faculdade de Design Digital. E me lembro dos professores que tive, diversos deles muito bons, não somente que me ensinavam fundamentos do design, mas como aqueles que me encorajaram a ler filosofia, conhecer a cultura e a socidade, ver um filme europeu. Decerto que esse período foi um dos mais transformadores da minha vida.

Mas no meio de tanta boa vontade e dedicação de vários lá estava ele: o “professor-vintage”. Ok, “professor-vintage” é um apelido meigo e irônico pra um tipo específico de profissional que, pelo que tenho acompanhado, cresce assustadoramente em quantidade nas instituições de ensino. E não tem um único foco de atuação, eles atacam todas: as mais tradicionais, as moderninhas-inovadoras e as uni-bocas-de-porco. Mas o que seria, de fato, o “professor-vintage”?

Professor-vintage é aquele sujeito que até pode parecer que conhece algo no começo, só que logo é desmascarado. Pode ou não ser showman. No caso de ser, alguns alunos o idolatrarão para sempre, sem se dar conta. É aquele que não atuou no mercado, não pode falar a respeito. Mas fala. É aquele que não tem conhecimento acadêmico pra nos transmitir e proporcionar experimentos livres de influências mercadológicas. Mas transmite e proporciona. É aquele infeliz que te passa livros pra ler da época que foi aluno sem nunca tê-los questionado. Sorte a sua se o professor dele não for um professor-vintage também, senão tu tá lascado, meu amigo: leu coisas que não fazem sentido há anos. Penso nas indicações de livros de design que tive na faculdade, logo no início do curso, em 2002. Acho que não aproveitaria nada ou quase nada. E nem é tão difícil ter essa noção: basta entrar numa boa livraria e futricar umas prateleiras. Dezenas de livros de cada assunto, coisa que 10 anos atrás era muito mais difícil. Fundamentos do design? Muitos de qualidade, de diversas editoras. Traduções minunciosas e cuidado com o papel, encadernação, tudo nos mínimos detalhes. Eu acho atualmente um tremendo absurdo recomendar o livro “Design para que não é designer” (da Robbin Williams) para iniciantes da área, já que temos “Novos fundamentos do design” (da Ellen Lupton), “Ensopado de design gráfico” (de Timothy Samara) ou “Layout” (de Allen Hurlburt) fáceis de serem encontrados em qualquer livraria física e online. Tipografia? Temos de dúzias. Mas ler seria uma tarefa muito chata para nosso astro enganador. É aquele que se contenta com seu conhecimento antigo e só se vale disso, nunca se atualiza. É do tipo que vangloria desse fato com o valor de um artefato vintage (aliás, sabe qual a diferença entre vintage e rétro?). É um charlatão que gosta de ser bajulado pelos alunos, de ser chamado de professor, de falar que é professor da instituição tal. Muitas vezes os professores-vintage falam com tanta convicção que só damos conta da falta de conhecimento do sujeito anos depois, quando estamos no mercado de trabalho [ou em meio acadêmico, dependendo do caso]. É aquele que deixa alunos com falhas de aprendizado por conta de sua incompetência e falta de respeito pelo tempo e grana dos alunos, pela instituição e pelo seu cargo.

Só na minha época (e na minha profissão) tinham professores assim? Você tem (ou teve) algum professor-vintage? Os casos serão bem-vindos (sem citar nomes nem as instituições, por favor) nos comentários.

 

Textos recentes e escritos históricos, de Alexandre Wollner, Edições Rosari - Capa

Mais uma referência muito interessante do mestre e “pioneiro” Alexandre Wollner. Em Textos recentes e escritos históricos temos uma coletânea das opiniões e discussões nos dois momentos descritos no título: Artigos e críticas de um passado próximo e entrevistas, matérias para jornais e relatórios de um passado mais distante, mais precisamente nas décadas de 1960 e 70. Wollner conta das suas experiências como aluno da Escola de Ulm, critica marcas e atitudes, fala da bandeira brasileira, de identidade visual, embalagem, cópia e até das unidades de medida. O sumário do livro:

Textos recentes:
Você percebe quando o seu comportamento é negativo?
Design ou design?
O forró dos cíceros e das paicas
Nike? What? Nike strikes agains?
Embalagem? Design? Merchandising?
O meio ambiente é outdoor! Parte 1 e 2
15 ou 21
Açúcar design, logomarca, type designer, package designer, design de resultados?
O desengano da vista é furar o olho
O poder das multinacionais
Sobre regras para concursos de identidade visual

Escritos históricos:
Minha formação
Origens do desenho industrial
Desenho industrial, uma definição
Programas de identidade empresarial
Programação visual
Marcas e outros assuntos
A emergência do design visual
Entrevista para Pietro Maria Bardi
Entrevista para Adélia Borges
Relatório do Congresso do ICSID em 1973

Textos recentes e escritos históricos, de Alexandre Wollner, Edições Rosari - Resenha

Alguns pontos do livro, de 2003, me chamaram muito a atenção por conta da aplicação no dia-a-dia e de como são atuais, principalmente os “escritos históricos”.  Em “Sobre regras para concursos de identidade visual”, por exemplo, Wollner comenta de como existem concursos de marca que são absurdos, do júri que não é formado por designers, das premiações ridículas (como camisinhas, por exemplo) e por escolhas sem fundamento de uma marca. Lembrou-me muito uma certa identidade de evento esportivo mundial que teve boa parte dessas características tão negativas…

Como no geral são textos curtos, podem ser lidos de maneira aleatória. Entretanto o mais incrível foi o capítulo que fecha a publicação, o “Relatório do Congresso do ICSID em 1973″, onde Wollner participa de congressos de design pelo mundo e entrega um relatório pro Governo Nacional contando tudo e indicando um caminho seguro pro ensino do design no país. Muitos desses problemas que temos por aqui, que viram chacotas, piadas (leia o post “Não piadas com designers“) e problemas para a profissão, foram previstos por Alexandre Wollner quase 40 anos atrás (exatamente 30 antes de lançar esse livro).

Posts relacionados:
O que é design? (Com trecho de Escritos recentes e escritos históricos e vídeo de Wollner definindo design)
Alexandre Wollner e a formação do design moderno no Brasil
(livro + DVD)