Arquivo da tag: Coleção textosdesign

Design Shot! #10 – Design como interlocução

“Em nenhum projeto o designer é senhor absoluto das decisões. Elas estarão sempre balisadas pela interlocução dele com as vozes dos demais atores que participam do processo. Essas vozes são múltiplas: São do cliente, dos outros profissionais envolvidos, dos produtores, dos usuários, da história do assunto específico tratado no projeto, da história do próprio design”.  – Chico Homem de Melo, no livro Os desafios do designer, das Edições Rosari

O Efêmero e o Paródico – Claudio Ferlauto

O Efêmero e o Paródico, de Claudio Ferlauto

Assim como quase todos os outros livros da Coleção textosdesign, essa publicação também reúne artigos de design que foram veiculados em revistas, sites e jornais. Mas eu achei que nesse, especificamente, dá pra notar um tom um pouco mais pessoal do autor.

O Efêmero e o Paródico, de Claudio Ferlauto, rostoClaudio Ferlauto fala da importãncia de um designer escrever sobre design, passeia por tipografia, produto, história do design dando pinceladas certeiras de assuntos inusitados, daqueles que sentimos vontade (eu, pelo menos, sinto) de pesquisar mais a respeito, comparar, estudar. E também fala de designers que, da mesma forma, vale a pena aprofundar mais em suas histórias, opiniões e obras/portfolio. Só que junto de tudo eu percebo uma peculiaridade maior do que o usua: Ferlauto mostra, entre um capítulo e outro, diversos sketches despretensiosos que dez em seus cadernos de notas. Dá pra ver que durante a espera de vôos ele tinha tempo pra se divertir com lápis e papel.  Aliás, lendo o livro e vendo as ilustras, me lembrei que quando tinha aulas com o Ferlauto na faculdade, ele sempre comentava com os alunos pra produzirem em seus cadernos de notas e sempre tinha um ou outro que falava “ele pede, pede, mas duvido que faça um também, já que é tão importante…” ou algo similar. Ele faz, sim! Toma essa!

O veterano do design mostra também cartazes que ele criou para informar os alunos da Universidade Anhembi Morumbi sobre os trabalhos de design, conta a história do Pato Macho (um jornal gaúcho que junto dele e uma equipe invejável que, além do Ferlauto, tinha até Luis Fernando Veríssimo), uma entrevista que ele deu pra Hugo Kovladoff. E tem Claudio Rocha, e tem Tony de Marco. Muita coisa boa, olha só o sumário:

Meia ideia e agradecimentos

Ler e escrever
Escrever sobre design
O design em formação

Tipografia
Sem conhecer o passado não dá
Tipografia e grade/grid
Arial: feia, bastante feia

Projetos tipográficos
Cartazes

Design de produtos
Petzold e Bornancini
O  design brasileiro no museu

Efêmero e paródico
O efêmero e o perene
O efêmero e o paródico
Luxo

Outras palavras
Tony de Marco
Hibridismo trangênico
Ler livros e ler na internet
Tipos segundo Claudio Rocha
Festa de 15 anos

Passado e presente
Pato Macho, um jornal gaúcho
tipoGráfica: entrevista à Hugo Kovladoff

Minha proposta de bate-papo pra esse post seria contemplar o título todo, mas como tenho visto o “paródico”  numa quantidade imensurável por aí, fico só com a proposta do “efêmero”. Aí vai:
O que podemos definir atualmente como passageiro ou transitório no cenário atual do design?

Não tenha piedade do box de comentário. Digita mesmo, sem dó! :)

Os desafios do designer [Chico Homem de Melo]

Capa do livro "Os desafios do Designer", de Chico Homem de Melo

Chico Homem de Melo escreveu artigos para a Associação dos Designers Gráficos do Brasil (ADG) e pra revista Arc Design entre 1999 e 2002 e esse interessante volume das Coleção textosdesign são, basicamente, uma boa seleção desses artigos. Como de costume dessa coleção, os textos propõem discussões e reflexões a respeito da produção do design e do cotidiano do designer, passando por 50 anos de marcas criadas no Brasil, tipografia, arquitetura, relação de criatividade versus o uso do computador e como eles se influenciam, processos criativos e outros.

O sumário do livro:
– Apresentação
– Marcas do Brasil
– O passado, o presente e o futuro do livro
– Impressões digitais
– Travestismo tipográfico
– O legislador e o artesão
– Niemeyer gráfico
– Os desafios do designer
– Brasil+500

Quarta capa do livro "Os desafios do Designer", de Chico Homem de Melo

O capítulo que deu o título à essa publicação compreende 14 frases que foram utilizadas na Mostra Seletiva da V Bienal de Design Gráfico da ADG, em 2000, relacionadas literalmente aos desafios de criar cada tipo de projeto.

Entre os artigos, tem um inédito (pra mim o melhor deles), que é sobre o BRASIL+500 – Mostra do Redescobrimento, que Chico Homem de Mello conta o projeto desde o começo, das primeiras ideias. Aí entram os detalhes de como os trés pavilhões do Parque do Ibirapuera foram ocupados com essa mostra e tudo a partir de uma visão do designer como interlocutor do projeto, que tem que se “dar bem” com todos e não é o dono exclusivo de tudo que se tem por lá. Embora totalmente verdadeiro, esse tipo de posicionamento é meio difícil de encontrar gente falando em livros (alguém tem dicas de livros ou links disso?).

Embalado pelo título do livro e seu capítulo de desfecho fenomenal, deixo a pergunta:
Pra você, qual é o maior desafio do designer?

Me conta nos comentários, tá? :)

Textos recentes e escritos históricos – Alexandre Wollner

Textos recentes e escritos históricos, de Alexandre Wollner, Edições Rosari - Capa

Mais uma referência muito interessante do mestre e “pioneiro” Alexandre Wollner. Em Textos recentes e escritos históricos temos uma coletânea das opiniões e discussões nos dois momentos descritos no título: Artigos e críticas de um passado próximo e entrevistas, matérias para jornais e relatórios de um passado mais distante, mais precisamente nas décadas de 1960 e 70. Wollner conta das suas experiências como aluno da Escola de Ulm, critica marcas e atitudes, fala da bandeira brasileira, de identidade visual, embalagem, cópia e até das unidades de medida. O sumário do livro:

Textos recentes:
Você percebe quando o seu comportamento é negativo?
Design ou design?
O forró dos cíceros e das paicas
Nike? What? Nike strikes agains?
Embalagem? Design? Merchandising?
O meio ambiente é outdoor! Parte 1 e 2
15 ou 21
Açúcar design, logomarca, type designer, package designer, design de resultados?
O desengano da vista é furar o olho
O poder das multinacionais
Sobre regras para concursos de identidade visual

Escritos históricos:
Minha formação
Origens do desenho industrial
Desenho industrial, uma definição
Programas de identidade empresarial
Programação visual
Marcas e outros assuntos
A emergência do design visual
Entrevista para Pietro Maria Bardi
Entrevista para Adélia Borges
Relatório do Congresso do ICSID em 1973

Textos recentes e escritos históricos, de Alexandre Wollner, Edições Rosari - Resenha

Alguns pontos do livro, de 2003, me chamaram muito a atenção por conta da aplicação no dia-a-dia e de como são atuais, principalmente os “escritos históricos”.  Em “Sobre regras para concursos de identidade visual”, por exemplo, Wollner comenta de como existem concursos de marca que são absurdos, do júri que não é formado por designers, das premiações ridículas (como camisinhas, por exemplo) e por escolhas sem fundamento de uma marca. Lembrou-me muito uma certa identidade de evento esportivo mundial que teve boa parte dessas características tão negativas…

Como no geral são textos curtos, podem ser lidos de maneira aleatória. Entretanto o mais incrível foi o capítulo que fecha a publicação, o “Relatório do Congresso do ICSID em 1973″, onde Wollner participa de congressos de design pelo mundo e entrega um relatório pro Governo Nacional contando tudo e indicando um caminho seguro pro ensino do design no país. Muitos desses problemas que temos por aqui, que viram chacotas, piadas (leia o post “Não piadas com designers“) e problemas para a profissão, foram previstos por Alexandre Wollner quase 40 anos atrás (exatamente 30 antes de lançar esse livro).

Posts relacionados:
O que é design? (Com trecho de Escritos recentes e escritos históricos e vídeo de Wollner definindo design)
Alexandre Wollner e a formação do design moderno no Brasil
(livro + DVD)

Faces do Design

Faces do Design - Capa

Eu estava no segundo ano do Curso Superior de Design Digital, em 2003, quando os professores da instituição que eu estudava, a Universidade Anhembi Morumbi, lançaram o primeiro livro da série Faces do Design (depois lançaram o Faces do Design 2), pela Edições Rosari, mas só fui estudar o livro todo há pouco tempo. Uma pena. Os oito textos, um de cada  professor, informam e opinam a respeito de história do design, arte, hipermídia e tipografia.

Os capítulos:
O processo de criação em expressão tridimensional, por Adriana Valese
Bauhaus – um pouco da história de um projeto pedagógico, por Ana Lúcia Ribeiro Lupinacci
Tékne e design: uma relação entre o conceito aristotélico de arte e o conceito contemporâneo do design, por Carlos Alberto Barbosa
Tipografia experimental, por Cecília Abs
A influência do objeto industrial na arte, por Gisela Berlluzzo de Campos
Texto na web, por Marcelo Prioste
Design Digital: universo da cultura e da hipermídia, por Mônica Moura
As fronteiras entre o design e a arte, por Priscila Arantes e Jorge Luís Antonio

Faces do Design - Quarta capa

Mesmo um texto mais datado como o de “Texto na Web” tem seu valor pois foram escritos entre 2000 e 2001. Os valores atribuídos e questionamentos sobre o uso do Macromedia Flash e da popularização da internet banda larga nos fazem perceber como os interesses e preocupações com os projetos eram muito diferentes dos atuais. Os demais textos não tem “data de validade” e questionam e estudam pontos interessantes, como o valor e importância da referência na hora de desenvolver um projeto, como o design e a arte podem andar mais próximos para beneficiar um ao outro, como era a Bauhaus e qual a função do seu projeto de ensino, a riqueza da relação design e tecnologia etc.

Acredito que os textos atinjam diversos públicos-alvos no campo do design, desde estudantes, profissionais da área e professores (ou aspirantes de), pois os estudos e pesquisas envolvem diversas disciplinas e possuem diferentes níveis de aprofundamento.

Do maíz à MAIZENA – Tadeu Costa

Capa do livro Do Maíz à MAIZENA, de Tadeu Costa

Agradável foi a minha surpresa quando, no Lançamento da Revista TIPOITALIA, encontrei tanto meu ex-professor Tadeu Costa quanto o seu livro, Do Maíz à MAIZENA®, da Edições Rosari. E lá mesmo resolvi comprá-lo. O Tadeu fez essa pesquisa por muito tempo, 15 anos, e a utilizou em 2001, na sua pós-graduação na Cásper Líbero, em 2001. Em 2005 saiu o livro.

A leitura é rápida (em torno de 4 ou 5 horas) e gostosa. A ideia principal do livro é mostrar o layout que se mantém o mesmo há mais de 140 anos e mostrar o pouco que mudou, seja uma tipografia aqui, seja um detalhe na ilustração dos índios ali. O autor detalha e explica tudinho, desde a história do início do amido de milho, passa pelas referências das plantações brasileiras como o Visconde de Sabugosa de Monteiro Lobato e em O Cortiço, de Aluísio Azevedo. Dezenove comerciais de TV são analisados e relacionados com a marca MAIZENA, além dos cartazes, anúncios de revistas, calendários de receitas e embalagens. É um trabalho bem completo, cheio de curiosidades e características do forte projeto de identidade da MAIZENA.

A única coisa que achei chata é que diversas imagens a editora não deve ter conseguido os direitos de mostrar (eu imagino isso, não penso em outra explicação), então tem uma ilustra meio rafeada da embalagem, cartaz, comercial de tv. Fora que as imagens poderiam ser maiores para facilitar a análise visual de cada uma. Uma pena, mas não tira os méritos do conteúdo.

Ok, ok… Eu confesso: Depois de ler o livro a primeira coisa que fiz foi tomar um mingau de MAIZENA ®… É claro que eu teria que comprar a embalagem vigente pra comparar com a última do livro, que é de 2005:

Embalagem de Maizena em 2010

É engraçado como a gente as vezes “não nota” a mudança das embalagens ou então não sabe falar o que mudou. Também é curioso analisar como algumas marcas ficam com a mesma base da embalagem, como a MAIZENA®. Quem sabe até valeria a pena uma pesquisa, um estudo mais aprofundado em cada uma delas.

Embalagens do Chocolate "do Padre", do Antisséptico Granado, sopa Campbell's e Creme Nívea

Aliás, agradecimentos para Luciene Antunes (@luci_n) pela embalagem do Creme Nívea e para a Carol Hungria pela embalagem do antisséptico Granado.

E aí, alguém lembra de mais embalagens que seguem essa linha de “identidade imortal”? Pode deixar nos comentários, eu não ligo! :)