Designices

O Fantasma [Fantasma Magazine]

Diferente de muitos meninos que começam gostar de heróis como o Superman, Batman, Hulk, eu comecei com o personagem O Fantasma de Lee Falk, na Fantasma Magazine que meu pai se orgulha de ter mais de 80 unidades dos anos 1950 e 1960, todas que comprou na época, a maioria já usadas.

Era pra mim bem divertido ver um cara mascarado, com um anel de caveira, cavalo, cachorro (chamado Capeto! Ó que nome bom!) e que morava numa caverna com o formato de crânio humano. E nada de super-poderes, o Fantasma resolvia tudo na base da porrada, de tiros, facadas. Ótimo pra uma criança de três anos de idade, não? Mas não tinha problema, elas estavam (como mostra o selo) dentro do código de ética! E eu já estava BEM escolado com essas coisas, pra quem já lia O Amigo da Onça, o Fantasma era “café-pequeno”!

Eu passava um bom tempo folheando as revistas e ouvindo meu pai contar sobre onde e quando comprava, que ele queria tal que não conseguiu em lugar algum, que pagava barato na feira, num pano no chão que um vendedor colocava com as revistas por cima. Fazia tempo que eu não via esse material, mas o Seu Rodolfo resolveu o problema: Cavocou os armários e pegou sua coleção e algumas delas foram fotografadas, olha que legais:

O Fantasma [Fantasma Magazine]

O Fantasma [Fantasma Magazine]

O Fantasma [Fantasma Magazine]

O Fantasma [Fantasma Magazine]

O Fantasma [Fantasma Magazine]

O Fantasma [Fantasma Magazine]

Meu pai conta que na banca de jornal, quando a revista era preto e branco, nunca sobrava uma sequer.

O Fantasma [Fantasma Magazine]

O Fantasma [Fantasma Magazine]

O Fantasma [Fantasma Magazine]

Daí mudaram para colorida…

O Fantasma [Fantasma Magazine]

E depois voltou ser preto e branco novamente.

O Fantasma [Fantasma Magazine]

Além de tudo ainda vi algumas propagandas vintage de produtos que ainda existem, como essa do Nescau

O Fantasma [Fantasma Magazine]

Esses foram alguns dos primeiros contatos que tive com histórias em quadrinhos, talvez a primeira com a narrativa sequencial (e não em charges de um quadro) que eu vi.

E você? Qual era teu herói/heroína quando criança?

Algumas [ou muitas?] das tardes da minha infãncia eu passei vendo filmes de diversos gêneros e épocas. Os bangue-bangues à italiana tinham seu lugar garantido na minha TV Sharp, comprada usada pra assistir a Copa do Mundo de 1978. Fiz uma seleção de cartazes desses filmes que achei mais interessantes, com ângulos e composições bacanas das ilustrações. Sinceramente não lembro de quais desses eu já assisti, mas gostava dos do Franco Nero, Bud Spencer e Terence Hill.

Cartaz vintage de filme de bangue-bangue à italiana

 

Cartaz vintage de filme de bangue-bangue à italiana

 

Cartaz vintage de filme de bangue-bangue à italiana

Cartaz vintage de filme de bangue-bangue à italiana

Cartaz vintage de filme de bangue-bangue à italiana

Cartaz vintage de filme de bangue-bangue à italiana

Cartaz vintage de filme de bangue-bangue à italiana

 

Cartaz vintage de filme de bangue-bangue à italiana

Todos esses cartazes foram baixados do site Wrong Side of the Art, na categoria Western Spaghetti

Posts relacionados

Cartazes vintage de “Thurston-The Great Magician”
20 cartazes de filmes B dos anos 1930
20 cartazes de filmes B dos anos 1940
10 cartazes de cigarro das décadas de 1920 à 1950
Cartazes da Primeira Guerra Mundial #1
Cartazes “fique em silêncio” da Segunda Guerra Mundial
15 cartazes vintage de cigarros Camel
20 cartazes vintage de circo