Qual é o fubá do seu design?

Sobre o fubá(?)

Provavelmente há pessoas da sua família, vizinhança ou empresa que sabem fazer um ótimo bolo (ou broa, se preferir) de fubá. Há dezenas de receitas diferentes espalhadas pela internet, e também há o espaço para improvisar. Minha mãe, por exemplo, põe erva-doce no bolo dela. Fica incrível. Mas, se você não gostar de erva-doce, tudo bem: dá pra deixar sem. Se achar que a quantidade de açúcar da receita é pouca, pode acrescentar mais. Se achar que vai ficar muito doce, tire um pouco. De repente, trocar o açúcar branco pelo mascavo pode ficar bom. Pode colocar mais leite, um ovo a menos, criar uma cobertura, deixar mais cremoso ou mais sequinho, pra comer enquanto toma um café. Não tem problema. Com todas essas chances de troca, a receita ainda será de um bolo de fubá. Mas sabe o que não pode faltar em um bolo de fubá? Exato, fubá. Você poderá mudar o que quiser, experimentar o quanto quiser, mas num bolo de fubá vai ter que ter fubá. Nesse contexto, o fubá é o ingrediente necessário, imprescindível; é a sua essência.

O seu design e o seu fubá

Sendo o fubá a parte mais importante do bolo de fubá, sugiro uma comparação simples com o design. Todos nós, designers, temos as nossas referências, vivências, experimentações, portfólios, discos preferidos, livros inesquecíveis, hora melhor para trabalhar, ferramentas favoritas. Temos particularidades, singularidades. Preferimos uma coisa a outra, algumas vezes por experiência, outras por falta dela e outras ainda porque só preferimos mesmo. Assim, o seu fubá é o que você faz de melhor, o seu diferencial, o que deixa seu trabalho com cara de seu e de mais ninguém. É o que pode te fazer ganhar uma vaga de emprego. É aquilo que, mesmo em um ambiente caótico de trabalho, se mantém, deve ser mantido – como o fubá no bolo de fubá.

Desse modo, volto à pergunta: Qual é o fubá do seu design?
Deixe nos comentários, vou adorar saber 😉

Importante: A parábola entre o fubá e o design foi (muito) baseada na mesma comparação que Terezinha Rios, Doutora em Educação pela USP, faz entre a aula e o fubá, no texto que pode ser lido aqui.


Referências bibliográficas

RIOS, Terezinha. Qual e? o fuba? da sua aula? (entrevista a Alfredo Nastari). Revista Magiste?rio n. 2. Sa?o Paulo: Secretaria Municipal de Educac?a?o de Sa?o Paulo/ DOT, 2014. p. 32-41. Disponi?vel em: <http://portal.sme.prefeitura.sp.gov.br/Portals/1/Files/ 22151.pdf>. Acesso em: abril de 2017.

 

Autor: Rogério Fratin

Mestre em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, 2016, com a pesquisa Design Thinking Aplicado à Educação. Bacharel em Design Digital pela Universidade Anhembi Morumbi, 2005.

1 pensamento em “Qual é o fubá do seu design?”

  1. Pois é… você sabe que é isso que eu tenho procurado ultimamente, saber qual é o meu fubá.
    Fui diagramadora por alguns anos, daí fui para sala de aula e hoje estou dentro da educação como diagramadora! Mas ainda não sei qual é o meu fubá… Até sei um pouco, eu mando bem como diagramadora… mas ainda preciso saber qual é a minha linha de criatividade rsrsrs.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *