Designices

Os casos de design mais improváveis do mundo

18/09/2012

Claro que esses meus não são os piores do mundo, mas vou contar alguns casos que soam improváveis mas eu dou minha palavra que aconteram comigo. Sim, comigo, não foi com meu vizinho, nem primo, nem colega, foi comigo, do jeito que vou colocar. A ideia é que essa lista, infelizmente, aumente conforme eu ouvir mais. E quanto pior, melhor. É daquelas que você passa a ter certeza que fez fralda com o Santo Sudário em alguma outra vida.

1. Os wireframes são para os fracos

Contexto: eu mostrava todos os passos pra criar o projeto de um cliente, dos primeiros rabiscos aos wireframes, ajustes e os layouts, depois os layouts finais e site no ar.

A frase matadora: Não, não, eu não quero esses. Faça o orçamento só com os finais (os layouts), esse restante é besteira.

2. O designer vidente

Contexto: Eu aguardava o responsável me enviar alterações de texto de uma interface. De repente pisca o MSN Menssenger:

Fulano de tal says (15:28:12):
Cara, você já alterou os textos que falamos da tela de login?

Rogerio says (15:28:56):
Não, você falou que ia mandar no email, não chegou nada. Você mandou? O restante tá pronto…

Fulano de tal says (15:29:40):
Não mandei, mas você precisa entregar logo, estamos atrasados.

(????????)

3. Cabeça de usuário

Contexto: eu apresentava uma proposta de interface e justificava as escolhas

A frase matadora: Acho que não vai funcionar. Pensando com a cabeça do usuário eu não clicaria ali.

(E porque raios gastam tanta grana com testes de usabilidade se dá pra pensar como o usuário?)

4. O jornalista-programador

Contexto: eu com um companheiro de trabalho apresentávamos um hotsite e justificávamos porque uma das solicitações não seria possível implementar por falta de recursos tecnológicos no mundo (o pedido era extremamente absurdo)

A frase matadora do editor: Como não dá? Não é só fazer um “if” na programação?

5. Marcha redatora, cabeça-de-papel…

Contexto: a redatora-chefe da revista vinha palpitar no site. Ela não sabia nem mandar email por webmail. Daí ela pediu na home um “ponto de interrogação cercado de palavras, como os designers da revista fizeram em uma matéria xis”. Eu perguntei pra que serviria e pra onde essas palavras linkariam quando clicadas.

A frase matadora: Não vai linkar pra lugar nenhum. Quem quiser saber dessas palavras ou vê na edição da semana (da revista impressa) ou procura na busca do site. Não tem que ter link em tudo…

6. O grid tipográfico e o editor-glamuroso

Contexto: Junto com o outro designer, confeccionei um grid quase que infalível para o novo site, todo baseado em tipografia, proporção áurea, tudo se encaixava perfeitamente, os módulos poderiam ser trocados de lugar por conta das proporções. Depois de apresentar pro editor (de texto) glamuroso:

Editor-glamuroso: Essa é a fonte do UOL?

Eu: Não. A fonte do UOL é Arial, a nossa base do site é com a fonte xis, todos os módulos só podem ser personalizados porque com ela os textos todos cabem direitinho, fizemos testes com os dez maiores textos de cada bloco, a migração do atual pra esse não terá problema desse jeito e somente desse jeito vai rolar.

Editor-glamuroso e a frase-matadora: Mas essa é a fonte do UOL?

7. A newsletter

Contexto: o chefe do chefe manda um email com uma newsletter do New York Times ruim de doer, de uns três anos antes e cheia de textos (eu trabalhava num portal de viagens, cheio de fotos) e me pergunta:

Chefe: Roger, podemos ter uma newsletter igualzinha a essa?

Eu, num acesso de ironia: Podemos sim. Aliás, deixa eu mudar pelo menos o logo pro nosso?

Chefe-do-chefe: Sim, muda só o logo mas tenta deixar o fundinho branco também. (ele realmente achou que minha pergunta foi séria…)

8. Aprenda comigo, sou biblioteconomista

No final de um expediente, uma antiga chefe/dona da empresa me chama, aos berros:

- Rogérioooooooooo

- Oi, Fulana, precisa de algo?

- Olha esse material (e me entregou uma brochurazinha extremamente bagacenta, mas MUITO mesmo)

Eu, provavelmente arregalei os olhos o máximo que os orbiculares permitiram e nada falei, tamanho era o susto com o material que havia pegado. Ela, com olhar orgulhoso e tom professoral, me disse:

- Fui eu que fiz. E sabe? Usei o Paint e o Word. (a frase matadora:) Tá vendo como dá pra fazer coisas muito boas sem usar essas ferramentas que vocês usam? Você deveria prestar atenção nisso…

(E eu, claro, permaneci em silêncio e, provavelmente, descobri que conseguia arregalar mais ainda os olhos…)
Nota: me lembrei desse post nesse instante

9. Aprenda comigo, sou biblioteconomista 2 – Absurdos 2 em 1

- Rogérioooooooooo

- Oi, Fulana, precisa de algo?

- Foi você que fez esse material na cor vermelha?

- Sim, fui. Algum problema com ele?

(a frase matadora 1) – Você tá cansado de saber que nossa impressora não imprime bem o vermelho! (??????????) Como você faz um material inteiro vermelho?

- Mas Fulana… A cor do logo deles é vermelha, toda comunicação é vermelha, o site, tudo…

(a frase matadora 2) – Não interessa, por que você não fez na cor azul? Laranja?

10. Um site (literalmente?) matador

Contexto: o briefing de um projeto digital era passado pra mim

- Rogério, precisamos começar logo o projeto XYZ

- Ah, legal, eles mandaram material, tem um briefing?

- O cliente quer que quando o usuário entre no site, ele se sinta no céu.

- =~~~~~~~~~~~~~~~~~

E fui eu quem quase viu o céu e São Pedro me olhando e dizendo:
- Desce!

E você, o que me conta?

Quais foram os casos improváveis que presenciou? Bote pra fora essas pérolas nos comentários, é bom pra desopilar o fígado e previnir infartos e outras doenças cardíacas.

Categorias: Motosserra

Comenta esse post aí, vai?

*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

33 comentários:

  1. Hehehehe….

    Meu velho… depois de virar empresário podemos sentar e eu alugarei seu ouvido com histórias tão cabeludas que farão o Pé Grande parecer o Lex Luthor.

    Fora da vida de designer in-house, a vida de lidar direto com os empresários é um buraco muito, muito fundo.

    GRID? Proporções Áureas? Pesquisa?

    Quem trabalha com o pequeno empresário e industrial até esquece que isso existe. A conversa começa num nível muito, muito mais básico.

    No fundo, não creio que essas sejam as principais forças transformadoras que o design oferece. São métodos, condutas e formas de trabalhar que nos diferenciam dos micreiros. Mas o empresário ainda não sacou algo muito mais básico que são os praquês e os porquês do trabalho com design. O quanto isso pode influenciar resultados, processos e na imagem interna e externa.

    Um dia te conto essas histórias. Você vai se dobrar de rir.

  2. hahahaha é cada “causo! Eu já passei por váaaarios também. Me lembro de um em especial:

    Trabalhava em uma produtora, com um chefe que era simplesmente “ditatorial”, só falava m%¨$%¨ e pensava que era o verdadeiro mestre da comunicação, entendendo infinitamente mais que os profissionais que ele tinha contratado (cada qual com sua experiência na área), apesar de ter trabalhado por apenas 2 anos antes de abrir sua própria empresa.

    Um belo dia este cidadão chega do meu lado e diz: “vamos fazer uma rede social de “poken”, layouta aí. Eu nem mesmo sabia do que se tratava, mas dei uma pesquisada na internet e sabendo que não receberia um briefing, decidi fazer o layout me baseando na estrutura do facebook, sabendo que este layout serviria apenas como “pega-briefing”, já que seria impossível aprovar algo que eu fiz sem nem mesmo saber qual era o objetivo.

    Achei que o material seria reprovado e assim eu teria a oportunidade de ser brifado após a reprovação. (eu já estava de saco cheio de implorar briefing e somente receber informações inúteis) Infelizmente minha estratégia não deu certo, já que não me foi permitido apresentar o projeto.

    Pois bem, o material foi reprovado, não me passaram nenhum feedback ou briefing e sequer consegui agendar uma reunião para entender melhor no que eu estava trabalhando.

    Comecei então a layoutar uma nova versão, mais uma vez seguindo apenas meus instintos e após enviá-la para aprovação (novamente não foi possível fazer uma apresentação) fui chamado pelo chefe na sala de reunião.

    Jamais esquecerei o que ocorreu lá dentro. Foi mais ou menos assim:

    Chefe: O layout está errado de novo, não tem nada a ver com o que eu quero.

    Eu: Mas eu não tenho briefing! Como é que eu vou saber em que direção devo seguir?

    Chefe: É simples, é só pegar o facebook e fazer uma rede social.

    Eu: Mas eu não sei qual é o público, quais são os objetivos de comunicação e etc. Enfim, eu não sei nada, preciso de informação! Além disso, você acha que se eu fosse capaz de fazer SOZINHO uma rede social como o facebook de um dia para o outro, eu estaria trabalhando aqui?

    Chefe: (um tanto quanto contrariado, afinal ele é capaz de criar uma rede social em meia hora e um de seus incopetentes funcionários – todos eram péssimos no que faziam, só ele era fodão – não conseguia fazer nem de um dia para o outro) Você sabe porque não te passamos um briefing? É que esse projeto é confidencial e por isso você não pode saber a respeito dessas coisas.

    Eu: Abro um sorriso sarcástico e após uma pequena discussão com o sem noção, levanto, pego minhas coisas e vou para casa para nunca mais pisar naquele antro de ego.

  3. Cara, me matei de rir aqui…mas acredito que você tenha se matado de dor em todas essas situações. Força, mano! E parabéns pelo post!

  4. Você esqueceu de duas muito boas:

    Editora-gênio: tá vendo esse quadrado que você colocou aqui?

    Designer: Sim.

    Editora-gênio: Coloca um aqui deste lado também, do mesmo tamanho só que menor.

    ——————-

    Editora gênio, depois de acessar o site numa TV de LCD:
    Ai, Ai, agora que vi o site na TV percebi que falta uma coisa essencial

    Designer: O que falta?

    Editora gênio: Falta uma vinheta! Tipo jornal nacional! O sujeito abre o site e tá lá, TANNANANANANANAM! Vamos colocar?

    obs: isso numa época que estavamos todos insanos para economizar os mínimos bites para poupar banda.

  5. Cara, clientes. Estes pagam nossas contas, mas também vão nos matar um dia… o melhor é cair fora antes que aconteça. O caso do Word é fantástico. rs

  6. Grande Roger,

    Já passei por dezenas de situações como a sua.
    A última foi há cerca de um mês.

    Fui encontrado no Google por uma escola de inglês.

    Ao chegar lá, na hora marcada, esperei por cerca de uma hora e meia.

    Ao ser atendido, a dona da escola passou mais de uma hora dizendo o quanto eles conheciam de criação e me mostrando os folhetos mais assustadores desta dimensão, todos feitos pelos professores da escola.

    Depois, passou mais uma hora explicando o que esperava para o site.

    No final da conversa, eu digo algo como:

    - Ok, então até amanhã cedo eu passo uma proposta detalhada para a senhora, com todos os valores, fluxos e prazos.

    E eis que ela me responde atônita:

    - Proposta? MAS TEM QUE PAGAR? Eu já pago a mensalidade do Terra!

    Fiquei mudo por uns instantes, achei que era brincadeira, mas não era. Perdi meu tempo e quase a sanidade naquela tarde.

  7. No meu caso o que mais lembro foi de um comentário que deu dor no peito…
    Trabalhava em uma editora, com diagramação, entrou uma mulher para vender anúncios e estávamos conversando, ela folheando as revistas para conhecer quando solta a frase mortal: Nossa, que bonito tudo isso que você faz, você usa o Powerpoint? ¬¬

  8. Eu tenho duas!

    O dono da empresa chega com um folheto e pede para abrir o arquivo finalizado para imprimir de novo. O arquivo estava todo em pantone, era para ser impresso em duas cores. O cara chega com o folheto e aponta na tela:

    _ Mas as cores não estão iguais.
    _ Como assim?

    Ele coloca o folheto do lado da tela.

    _ Olha, tá diferente.
    (Eu pasmo) Sim, na tela pode dar diferença, mas como vai imprimir em pantone, é só o cara usar a cor designada. É a mesma cor mas o monitor não mostra perfeitamente.

    Depois de uma longa e stressante discussão de mais de meia hora explicando RGB, CMYK, Pantone e calibragem de tela fui chamado de “caipira arrogante”.

    Na outra eu precisava de uma medida X para um material. Pedi a medida para o atendimento e ele me mandou uma medida duvidosa. Fui conferir com a responsável aí descobri a ciência envolvida na medida duvidosa. Ela pegou uma foto que veio num email, colocou uma RÉGUA na frente do monitor e tirou as medidas. Eu, após chorar um pouquinho, disse que não era assim que pegava medida das coisas que foi procedido por um “Por que não?”.

    Fora essas histórias tem vários BMP “em alta” que eu recebi dentro de words. Se o arquivo tem mais de 1 mega é imagem em alta, não importa o tipo.

  9. Me identifiquei muito com todas estas situações e acabei me lembrando de uma também:

    O CLIENTE-AXÉ

    Contexto: Estava finalizando um projeto de identidade visual para um cliente. Este, por sua vez me solicitou que lhe enviasse o seu novo logo.

    Atitude: Enviei para este cliente uma pasta contendo o logo nas versões horizontal e vertical, em PDF e Illustrator.

    A frase matadora: “Ah, estes arquivos que você me enviou não servem pra nada… me manda em JPEREZ!

    Pensamento: Será uma homenagem a uma antiga dançarina de Axé?

  10. Muito bons os comentários aqui, já passei por todas essas situações e me sinto num revival.

    Quem faz freela já deve ter passado pelo que descrevo abaixo, que é algo bem rotineiro e já tive que encarar várias vezes:

    Um cliente que fez um folder contigo há 3 ou 4 anos e você nunca mais ouviu falar, de repente te liga:

    - Oi meu amigo! Lembra aquele folder que fizemos “outro dia”? Quero imprimir de novo igualzinho, mas preciso que vc dê um UP, um TCHUNS, pra não ficar TÃO igualzinho.

    - Ok, então lhe passo um orçamento por e-mail.

    - Orçamento? Tem que pagar? Sou cliente antigo, não quero um novo folder, só quero um tchuns, não dá pra quebrar essa?

    Passei por isso tantas vezes que tentei aplicar o mesmo golpe no dentista, sem sucesso, claro. Mas eu tinha que devolver ao universo.

  11. Recebi essa semana um briefing sobre um evento que já começou, e o escritório tomou as rédeas para fazer um mínimo de material gráfico

    - Ok, o que preciso fazer?

    - imagina o mundo, pessoas em volta… um logo que envolva tudo isso, arte, união… isso tudo com o nome do evento no meio. um logo bem bonito…

    - Legal -embora não fosse legal a idéia.

    - Isso! vai ser bem legal. Você pode até mesmo usar fotos em volta, tem umas em alta na pasta…

    - Calmae… um logo e umas fotos em volta? é um logo ou uma ilustração?

    - É um logo-ilustração…

    Nesse ponto, parei de tentar entender e passei apenas a escutar.

  12. Então….Eis que estou eu e o chefe olhando o Layout do boletim pronto já!
    Lembrando que eu já tinha colocado vários textos em menos 30 e as fotos estavam pequenas para tudo que eles precisavam.
    Ate que o chefe me fala que vai entrar mais uma nota onde é humanamente impossível.

    Eu falo: – Mas não espaço pra colocar tudo isso não da pra cortar algo?

    Ele responde: Não, Não faz ai vocês da arte são mágicos eu sei que você consegue colocar tudo!

    Mudei de profissão

  13. Vou te contar o que aconteceu hoje: 6h da manhã, arrumando as coisas pra ir embora e o diretor de criação vira e fala: ah! esqueci de dizer! o Fulano (dono da agência) pediu pra fazer uma montagem do stand de vendas. Pista de cooper, bebedouro, silanização, perspectiva do produto, saquinho pra fezes de cachorro. Tudo em em tamanho real. Você faz? Tô indo. Manda no meu email.

  14. Fiz o layout para um site novo e talz, todo bem alinhado de acordo com as 16 colunas, tudo proporcional…cores, icones, tudo no contexto da proposta. O layout foi aprovado, enviamos para os programadores.

    Dias depois mandam um link para visualização do que foi programado. TUDO DIFERENTE DO LAYOUT…as coisas fora do lugar, mudaram botões do jeito que queriam e etc…

    Explicação: Do jeito que estava no layout não conseguimos fazer, então decidimos mudar assim.

    :)….legal….então pq fiz a @#$% do layout e eles não falaram nada antes?, ou se era para mudar o designer deveria fazer isso ne?

  15. Nossa mano, muuuuito bom! Tb rachei o bico (e fiquei com raiva) em muitos deles! hehe!

    Cara, lembrei de um inesquecível:

    Contexto: Eu era web designer de uma empresa e na ocasião eu fazia a identidade visual de um site e a criação da paleta de cores de todos os canais.
    Toda as cores tinham um conceito e o por que de estarem ali.

    Diretor de Arte Guru: Mas não precisa associar as cores com o significado das coisas, o “leitor” não vai sacar isso. Pode escolher as cores para os canais aleatoriamente.

    Eu: Depois de muito argumentar e ser vencido pelas contra-argumentações absurdas troquei a cor da área de saúde que antes eu tinha escolhido o verde clarinho para uma cor nada a ver, o ROSA CHOC.

    E sabe o que aconteceu?
    NADA. O projeto foi para frente e o site continuou por anos com a cor de rosa choc na área de saúde.

    Por isso não provoque, eu troco por rosa choc! rsrs

  16. Bom, então lá vou eu contar a minha

    Fiz um cartaz de um Prêmio que foi enviado para uma grande gráfica, super importante e tals…passado alguns dias o cara da gráfica liga e pede pra mandar a “logomarca” (argh) do Prêmio….não sabia bem para o quê mas mandei em Illust., no dia seguinte o cara liga e diz:

    Super Gráfica: Olha me manda outra logomarca que aquela lá não conseguimos abrir aqui…

    Eu: mas não conseguiram pq? Tá em vetor!

    Super Gráfica: é, mas vetor não abre aqui (nesta hora ficou claro que o cara não sabia o q era vetor!)

    Eu (já vencida): Ok então…como vc quer q eu te mande?

    Super Gráfica: manda no email mesmo!!

    Eu: Sim, mas em que extensão vc quer?

    Super Gráfica: aaaahhhh pode mandar um ZIP!!!!

    Eu: 0.0

    Eu: Zip? ok (dando uma de boazinha) mas como vc quer o arquivo? Em Corel? Illustrator? Photoshop? Jpge?

    Super gráfica: ah pode ser em imagem mesmo…

    Eu: tá, então me diz qual o tamanho que devo te enviar pra não distorcer o logo…

    Super Gráfica: pode mandar com até 4megas!

    Eu com muita vontade de chorar (ou rir): Nãoooo…eu digo o tamanho em pixels!!!

    Super Gráfica: ahhh isso eu não sei!!!

    +.+
    eu mereço!
    #vidadeDesigner

  17. Hahahaha… muito bom! Tá até parecendo roteiro de stand up comedy.

    Eu lembro de vários, desde aquele chefe que pede pra por bold em tudo, ou quando vc mostra um wire de uma landing page, onde seu briefing é, “ah pode por tudo, eu quero sugestões!!” E quando você mostra o wire ele diz: Mas só isso, tudo simples assim? Eu esperava mais, não tem arte nem nada! Ou ainda aquela homepage, que vc já está na décima versão, e aí o chefe pede mais alterações: eu quero isso aqui, aquilo ali, esse vem pra cá, aquele dessa mais um pouco e… Você pára e pensa: Ahh… igual a primeira proposta que eu fiz??. De doer, né!

  18. Eu já pensei em bolar um livro, contendo as propostas enviadas ao cliente e o que os donos de agência e os próprios clientes as transformaram…

    Mas segue meu causo:

    Contexto: agência de publicidade que há anos faz uma revista anual para o cliente específico. A revista envolve textos de várias pessoas e uma série de imagens, concatenar essa gente toda nunca levou menos que um mês.

    Cliente: “A revista está pronta? Precisamos dela em 1 semana!”

    Agência: “Ainda não, precisamos que nos enviem os textos, fotos e os créditos da revista. Podem enviar as fotos antes que já vamos adiantando o tratamento no Photoshop. Uma semana vai ser apartado, mas vamos correr com isso pra vocês”.

    Cliente: “Os textos ainda não estão escritos e não tiramos as fotos, mas vocês estão atrasados” (?!?!?).

    Interlúdio: Uma semana se passou até que os primeiros textos e fotos começassem a ser enviados à agência. Fotos inacreditáveis, uma criança com um celular faria melhor. Quanto aos textos, a revisora praticamente os reescreveu.

    Após um mês, a revista ficou pronta, e com duas equipes de marketing botando o bedelho, ficou mais retalhada que os bolos do aniversário de São Paulo.

    Agência: “a revista está pronta, vocês disseram que era urgente. Para que gráfica enviamos o arquivo fechado”?

    Cliente: “Ainda não escolhemos a gráfica. Depois falamos com vocês”.

    Resultado: dois finais de semana e várias noites perdidos e o material está parado.

  19. Me matei de rir. Ou deveria chorar?

    Eu trabalhei em uma in-house de uma indústria alimentícia que produzia balas, chicles e pirulitos. Desenvolvi todo o material para um novo produto e o sabor da bala seria maçã-verde. Escolhi minuciosamente um verde bacana pra alinhar com o sabor. O dono da empresa ficou horrorizado, pediu pra mudar tudo para vermelho, disse que verde era cor de alface e que criança nenhuma nesse mundo gosta de alface!!!

    O pior é qdo vc vai montar portifolio e percebe que só tem trabalhos destruídos por clientes.

  20. Aconteceu HOJE. AGORA.
    Lendo o briefing online, preenchido pelo cliente, deparo-me com a seguinte resposta à pergunta “qual sua necessidade de comunicação?”. E a frase matadora: “nenhuma”. Oi?

  21. Certo dia, um chefe estava me “orientando” enquanto eu “criava” uma porcaria de panfleto. Esse deve ter muita experiência:

    — Mais degradê…
    — Tá bom?
    — Não, mais!
    — E agora?
    — Mais um pouco…
    — Hm…?
    — Agora ficou bom!

    Nesse momento, já estava totalmente desanimado com o “projeto”, não sentia mais vontade de criar, ou explicar que aquilo era um projeto de design, e não uma obra de arte.

    O degradê passava de um azul escuro para um azul muito claro; um pouco mais claro que o céu limpo da manhã. Além disso, tinha muita coisa espalhada, até mesmo o logo do Facebook jogado por lá, o que por sinal, é proibido seu uso sem permissão. Nada contra à degradês, mais não era o melhor uso em excesso no tal panfleto.

    Poxa, só porque sou novo, não quer dizer que não tenho experiência na área. Eu estudo bastante design! :(

    Mas um dia os clientes serão diferentes, e irão respeitar meu espaço profissional, pois eles irão olhar pra mim como o responsável pela comunicação em geral, hehe, isso deve ser legal! :D

  22. Ja tive várias uma delas foi fazer um logo de um restaurante.

    Primeiro eles queriam um porco no logo o.o daqueles bemmm buteco, depois de convencer o cliente ( uhulll o/) fiz um logotipo da hora.

    Mandei pra eles e então mandaram pra gráfica. 3 meses depois recebo um folder com o logo totalmente mudado.

    Alguns dias depois encontro com o cara de pau e ele fala, é então eu pedi pro mocinho da gráfica dar umas mudadinhas, mas mantive as cores, vc viu???

  23. Acrescentando mais algumas que acabei ouvindo por aí (inclusive naquele lugar onde você também já trabalhou, hehehe):

    -”Isso, vamos botar um “gift” animado nessa página!”

    -”Tá, mas se mandar o motoboy pelo ftp não chega mais rápido?”

    -”Vamos colocar um QR Code no material digital mesmo, assim a pessoa imprime e acessa pelo quadrinho”

    Escrito num pedido de serviço:

    _”Favor fazer um bâner”.

    Qual o formato?
    _ “Retângulo””

    Sim, nóis sofre que é a peida, como diz outro amigo designer.

  24. Ri muito!!

    Post excelente e ótimos comentários!! É como dizem por aí…

    “o ornitorrinco é o pato aprovado pelo cliente”.

    Feliz Dia do Designer :-)

  25. Cliente: Vamos mudar o logo, mas mantendo a cor original.

    Eu: Esse vermelho, é uma cor especial? você por acaso teria como me passar a cromia ou o pantone?

    Cliente: Sim, é o vermelho do Mustang 77!

    Eu: O.O

  26. Uma vez na gráfica me perguntaram se poderia fazer o cartão com os cantos arredondados…

    Respondi que sim…

    Me perguntaram se o canteamento poderia ser frente e verso…

    Fiquei sem saber o que responder…

  27. HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH! É por essas e outras que eu adoro esse público que chega no DESIGNICES. Muito obrigado por todos os comentários (e quero mais!)

  28. Como me esquecer do “mas a fonte é do UOL?”. Hahahaha. E outras aí no meio que me lembro bem tbm. Boa, Roginho!

  29. Não é bem de design mas tem a ver: trabalhava com edição de vídeo em uma produtora, o dono me pediu pra comprimir uns vídeos pra colocar no site da produtora que tava sendo elaborado:
    Eu- Então tem esses vídeos em tamanho maior, com mais qualidade.
    Dono- Mas tá muito grande o arquivo.
    Eu- Tem esses que estão com menor definição, estão menores.
    Dono- Mas esses estão com a definição mais baixa, (cara de quem tem ideia genial), Faz o seguinte: Faz um arquivo de tamanho pequeno mas com alta resolução.
    “Por que não pensei nisso antes?”

  30. “Ah, logo de escritório de advocacia dá pra fazer pela metadde do preço né?! É só colocar duas fontes bonitinhas juntas!!”

  31. O dono de um jornal impresso resolveu fazer uma versão online. Fiz o registro do domínio, o setup no provedor de hospedagem e o site em em php. Para minha surpresa, o cliente “matou” o projeto com uma frase de primeira: “Tá bonito, mas eu quero que coloque essas notícias na “capa”, essas outras na página dois, na três bote essas, na quatro…”

    – Sinto muito, o Mysql não permite que se pagine dessa form…

    – Não me interessa a opinião dele, eu estou pagando e quero assim!

    Eu até pensei em exportar as página do jornal impresso em PDF e colocar tudo no ISSUU, mas preferi perder o cliente, do que perder a paciência!