Função do design X função do designer

Tenho reparado em alguns jovens designers e estudantes da profissão um certo descomprometimeto ou desconhecimento a respeito de questões importantes do design. Ora me deparo com alguns que pensam que ficarão sentados num puff na agência até ter uma ideia genial que será executada rapidamente e levará um Leão de Cannes, seguido de aumento do salário e claro, a fama. Outros que tratam seus layouts como uma obra de arte única e intocável. Tem também os que não querem saber de nada, só fazer (?). Acho que devemos relembrar algumas coisas que, decerto, aprendemos no curso superior e revimos em artigos e livros da área.

O que é design?

Depois de qual era meu nome e idade, essa foi a primeira pergunta que me fizeram na faculdade. E eu saí de lá sem um significado definitivo. Acho até que essa é mesmo a ideia: você ouve, fala, analisa, pesquisa e lê as opiniões de estudiosos e representantes profissão e tira suas conclusões, até porque várias das definições tem até itens excludentes entre elas. E claro, numa profissão tão importante e rica como a nossa, se contentar com apenas uma definição é um erro no meu modo de perceber.

O mestre Wollner, por exemplo, fala em suas entrevistas de design de uma maneira bem direta: Design é projeto.

Para Rafael Cardoso Denis, “o ato de projetar tem na sua essência um componente básico de criação, de artifício, que não difere substancialmente daquele mesmo elemento factício que está por trás do artesanato, da arte e até da magia (…). O que distingue o design de grande parte do artesanato, da arte e – presumo eu – da magia, é que no design o fato material que se pretende gerar não é feito pelo mesmo indivíduo que deu início ao processo de conceber a ideia. Quero sugerir, portanto, que a atividade de design caracteriza-se mais como um exercício de processos mentais do que de processos manuais”.

André Villas-Boas acredita que o design “é realizado para a produção, é reproduzível e é efetivamente reproduzido a partir de um original (ainda que virtual). Do contrário é uma peça única circunscrita ao campo da arte”.

São infinitas definições, cada uma de um viés, cada uma com seu valor e discórdia. Não acho que essa pergunta seja menos importante que outra, que é bem menos falada: Qual a FUNÇÃO do design?
(se quiser insistir em “O que é design?“, leia o post só disso)

O que é designer?

Acredito que aqui existam menos discussões: Designer é quem “faz design”, quem projeta. Parece simples, né? Nem sempre. Mas designer também é o sujeito que se preocupa que a nem a tia-avó nem a sogra e o bizavô entendem o que ele faz. Será que o designer de fato sabe o que faz ou, melhor ainda, o que ele PODE fazer? Visto que uma das funções principais do designer é ter uma visão holística, global do projeto (e é aí que tem crescido muito a área de design estratégico junto das grandes corporações), por que tantos se fecham apenas onde atuam ou gostam e perdem o contexto que ele está inserido?

Temos muito poder nas mãos a cada clicada do mouse ou no deslizar do lápis, da caneta, do pincel e nem sempre damos conta disso. Basta pensar que trabalhamos com comunicação e que as pessoas são influenciadas, nem que minimamente, com o que criamos. Nós, designers, sabemos quando compramos um produto única e exclusivamente por causa de sua embalagem. Muitos de outras profissões também compram e nem sempre tem consciência disso. É numa grande amostragem que, por “nossa causa”, uma revista é selecionada entre muitas outras, uma matéria é lida pelo seu layout convidativo. Evidenciamos livros que fazem rir, chorar, pensar e até mudam a vida de alguém pela sua capa. Damos ao mundo bons exemplos de combinação de cores onde tudo parece mais calmo, tranquilo ou adrenado. Providenciamos acesso à cultura por nossos sites bem feitos que até pessoas da terceira idade tem pouca dificuldade de navegar.

E a parte ruim da coisa? Ah… essa não falta! Nós que fizemos as propaganda fascista e nazista. Nós que ajudamos a fazer calar a boca através dos cartazes de guerra (veja o post). Proliferamos a cultura de massa, fazemos com que certos produtos sejam exclusivos de grupos com maior poder econômico, deixamos as pessoas com desejos de consumo tecnologia (como o iPhone ou iPad) pelo visual e isso tudo vai virar lixo não-reciclável que em algum canto do planeta vai ser depositado. Até criar “produtos bonitos” simplesmente pra alavancar a economia já fizemos, como no caso do STYLING, nos EUA. Poderia prolongar bastante essa lista, mas acho que já está bom.

Ei, você aí… Qual é a sua?

Nesses dias recebi uma ligação pedindo (quase intimando) que eu divulgasse um evento aqui no blog. Evento esse que foi criado por um site que se sustenta de trabalho dos outros em troca de uma suposta visualização dos profissionais (que eu nem acredito que seja significativa assim). E eles fazem livro com os trabalhos, ganham dinheiro e crescem cada vez mais com tantos talentos participando. E quem de fato cria, projeta, transpira pra fazer, não recebe um só centavo. Só a “fama”. Quando disse que não colocaria o evento aqui a moça se assustou: “Mas tem tudo a ver com seu blog. E nosso diretor adoraria ver o evento dele no designices. Ele adora seu blog…”. Arrã. E eu sou bobo. Meu blog é de reflexões, discussões riquíssimas que surgem nos comentários, estudos, livros e de coisas que eu vivencio e gosto. Aqui não entra jabá em hipótese alguma. Esse é o projeto e a função. Uma organização que ganha nas custas do suor dos outros, a praticamente custo zero, acha que pode também me explorar propondo um anúncio de graça? De “serviços” desses está repleto por aí. Pra mim é tão grave quanto ouvir “Olha, esse trabalho você faz de graça, mas a partir do próximo, você começa a receber”. Só que a vez de receber nunca chega. Definitivamente a “minha”, respondendo o último sutítulo, não é essa.

Um designer não deveria nem pleitear determinado emprego nem executar um determinado trabalho sem essas questões bem resolvidas. Saber o que é o design especificamente e pra que ele serve, além de todas as impactos que isso pode causar na sociedade em caráter cultural, econômico, tecnológico etc é ter a visão holística, global que disse no início do texto. O designer pode ter feito “um cartaz de cala a boca” sem imaginar que estava fazendo. Pode ter promovido uma ideia que ele não concorda (e abomina) sem saber. E esse “não saber” pode ocorrer por infinitos fatores, tanto por parte do designer quanto por parte do meio que ele está inserido.

Se eu precisar resumir esse texto em apenas uma frase, será com essa: “O designer deve entender seu poder e suas funções para, aí então, se denominar designer”. Infelizmente muitos me parecem desestabilizados nessa questão.

Eu não poderia terminar o post senão com a seguinte pergunta:
Como você entende e de que modo você executa sua profissão?

Bibliografia recomendada:
Design – Uma introdução (O design no contexto social, cultural e econômico), de Beat Shneider,  Editora Blücher
Faces do design, de professores da Universidade Anhembi Morumbi, Editora Rosari
Linguagens do design – Compreendendo o design gráfico, de Steven Heller, Editora Rosari
Objetos de desejo – Design e sociedade desde 1750, de Adrian Forty, Editora Cosac Naify

16 comentários sobre “Função do design X função do designer

  1. Salve, Lindão!

    Sabe que comecei a trabalhar com web pensando que seria designer? Lá em 2001, quando fazia colegial técnico em processamendo de dados em Barbasena, comecei a estagiar em uma agência bem querida que não sei a quantas anda. Obviamente, com 14 anos eu não tinha noção alguma do que era nada, mas para mim iria projetar as tais pagininhas da internet. Deu que me colocaram primeiro para dar suporte técnico aos computadores da agência, e enquanto ninguém me chamava eu tinha a missão de aprender PHP em um computador que não tinha interface gráfica, com um livro daqueles da Wrox de 800 páginas. Deu que fui para o lado negro da força, virei desenvolvedor. Mas sempre me mantive atento ao que se passava do outro lado. E hoje até me arrisco a debater e pensar algumas questões da tua área, que aliás, gosto mais que da minha.

    Enfim, conto essa historinha toda só para responder a pergunta final. No final das contas, entendo que o objetivo da minha profissão não foge muito da tua, é fazer algo ser funcional. Quando você se refere ao fato de muitos profissionais não “transcenderem” o papel que desempenham, acho que isso acontece de maneira muito mais grave com os desenvolvedores. Por incrível que pareça, poucos tentam entender o real objetivo de um projeto, para quem é, qual a linguagem(não linguagem de programação), e etc. O que acaba muitas vezes comprometendo o brilho do trabalho das demais áreas, principalmente da criação.
    Portanto acho que vale muito a pena se inteirar mais sobre todos os aspectos que envolvem um trabalho, não só na concepção das cores ou que banco de dados será utilizado.

    Será que me enrolei?
    Abraço!

  2. seu blog é muito bom! Fazia tempo que eu queria ler algo como esse texto.

  3. Oi, Rogério, adoro seu blog, que descobri há pouco tempo.

    Já li seus posts antigos e agora sigo acompanhando sempre :)

    Eu ainda sou estudante de design, comecei a estagiar como designer gráfico há alguns meses, e de certa forma procuro me conscientizar sobre o “todo” dos trabalhos que faço, mais ou menos como você comentou no último subtítulo. Apesar de ser jovem e estar no comecinho ainda, por duas vezes já chegaram a mim trabalhos que não quis fazer, não porque eu não gostasse, mas por não concordar com a ideia que seria propagada ali, então achei que seria melhor “passar a bola” para outro.

    Abraço, parabéns pelo blog!

  4. quando decidi cursar publicidade (na época, eu nem sabia o que era design gráfico), eu brincava que estava abrindo mão da minha moral em nome do capitalismo. a paixão que nasceu em mim pela criação visual foi tão grande que eu pensei que precisaria de abrir mão dos meus valores para poder trabalhar com algo tão prazeroso e fascinante.

    hoje, 4 ou 5 anos mais madura (por assim dizer), vejo a função do profissional de criação (seja o designer ou o publicitário) de forma muito diferente. há, sim, lugar para todos os tipos de profissionais. tanto para os inescrupulosos como para os idealistas, e também para os indiferentes. no momento, me percebo no lugar de indiferente. estou lendo seus posts e ficando inspirada por eles… tenho que tomar vergonha na cara e passar a fazer algo de produtivo.

    parabéns pelo blog. :) sempre que entro aqui, tenho boas surpresas. :)

  5. Eu tenho uma disciplina na faculdade chamada ”Introdução do Design”. O professor passou o documentário “Alexandre Wollner e a formação do Design Moderno no Brasil” onde essa questão (o que é Design) é abordada.

    O professor passou um trabalho onde devemos buscar referências de outros designers sobre o assunto e falar o que seria design para nós (alunos).

    Eu formado na área técnica e graduando da área entendo que design é relações humanas pura, pois produzimos algo para os outros e que a sua utilidade-fim não seja apenas estético e sim (principalmente) funcional.

    Costumo sempre pensar para quem estou produzindo algo, seja um texto, um impresso e como isso vai interagir com o próximo, se vai atingir a funcionalidade.

    No mais parabéns pelo texto!

  6. Perfeita sua abordagem, conteúdo catedrático !
    Conheço muitos que deveriam ler esse texto para revererem seus conceitos na área !

  7. Faço o terceiro período de design, na UFPE campus em Caruaru e cheguei nesse blog de surpresa, procurando por funções do design, e me gostei muito de tudo o que li aqui. Era exatamente isso que tava sentindo falta e que estava amadurecendo a idéia de fazer um blog com postagens reflexivas e construtivas sobre o design, e foi isso que encontrei aqui.
    Parabéns!

  8. Obrigado, Joyce! Obrigado pelo acesso e pelo comentário
    Espero ajudar de alguma forma.
    [ ]s!
    Rogério

  9. Cara, adorei o post. Totalmente apoiado! Espero de coração que os “designers” e outros compreendam nosso valor! Obrigado pelo post!Dá forças saber que mais alguém além de mim se preocupa com certos detalhes! Abração!

  10. Me fez pensar se posso me considerar uma designer mesmo já cursando o 4º ano do curso… e o quanto é séria minha futura profissão! Obrigada!

  11. Obrigada por resgatar esse texto. Vou levar pros meus alunos, tá? =*

  12. Lí a postagem inteira e me parece que na opinião do autor, o designer é também um mágico que vive no “Paraíso do design na universidade”, onde se fazem as mesmas questões chatas e que ninguém tem vontade de responder e não se muda nada, nem se evolui.
    Quem entende o processo de design (o que não é fácil, mas é possível na universidade com um bom professor), entende todo o resto. Não são perguntas superficiais, daquelas que todos ficam quietos quando ouvem, que são interessantes para compreender as questões supracitadas.
    É preciso trabalhar muito e de forma aprofundada para desenvolver engajamento e compreensão de si mesmo enquanto ser existente e enquanto profissional e consequentemente da profissão e todo o resto que a circunda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>